quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

DONA INÊS: PRA COMEÇAR 2014 COM OS OLHOS ABERTOS....TEM ELEIÇÃO PELA FRENTE...


Quatro anos, exatamente 1460 dias, este é o tempo que um governante municipal possui para administrar uma cidade. Imagine quanta coisa é possível realizar neste tempo, quantos projetos poderiam ser desenvolvidos, quantas ações que beneficiassem a população de nossos municípios por este Brasil a fora.

Os olhos do povo para esta realidade descarada dos políticos que estão no poder. 

Em ano de eleição municipal e a situação se repete em várias cidades do Brasil e em Dona Inês/PB não podia ser diferente: de olho nas urnas, políticos lançam ou apressam obras que, em muitos casos, estavam paradas ou cujos cronogramas previam outras datas de inauguração, para não mencionar a necessidade ou a prioridade de algumas dessas obras. São ruas com trechos interditados, praças fechadas, recapeamentos de vias, calçadas onde a passagem de pedestres se torna quase impossível e outras variedades. Alguns municípios viram verdadeiros “canteiros de obras” nesta época. 

Pela legislação eleitoral, candidatos à eleição só podem participar de inaugurações de obras até o dia 7 de julho.

Em Eleições que para Governador, Deputados Estaduais e Federais, senadores, Presidente os Prefeito sem Compromisso querem fazer de seus Municípios verdadeiros currais eleitorais para vender o povo (eleitor) principalmente para Deputado Federal e Estadual usando de mentiras dizendo que tais obras são emendas de seus parlamentares, mas na verdade serve para eles faturarem pessoalmente e depois com assessorias para que nada fazem sendo lotado  em seus gabinetes e nada produzem, sendo funcionários fantasmas, " parasitas do poder"  dessa forma caber ao eleitor acabar com essa imoralidade, não servindo de boi para seu prefeito faturar em cima de seu voto.

A prática de concentrar inaugurações de obras em anos eleitorais é recorrente no país e ruim para a gestão pública, avalia o professor do Departamento de Gestão Pública da FGV (Fundação Getúlio Vargas) Marco Antônio Teixeira. “É muito comum os governantes do Brasil fazerem isso. Deixarem seu pacote de investimentos para o ano eleitoral, exatamente para aumentar a sua popularidade para ter condições de se reeleger ou de fazer o seu próprio sucessor”, diz. 

Pesquisa do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada), com base em dados de 1995 a 2011, revela que o investimento público de prefeituras, governos estaduais e federal, sempre aumenta em ano de eleição. Em contrapartida, quando não há disputa por cargos, há contenção de despesas. Absurdos como este fazem parte de um Brasil e municípios como Chapadinha “podre” que escolhe políticos “do aperto de mão” e esquece dos homens que possuem conhecimento necessário para representar o povo. 

São políticos cobertos de interesse pessoal e falta de compromisso pós-eleição. Recentemente a Gestora de nosso município espalhou homens pela cidade fazendo micro serviços, em alguns casos coisas desnecessárias diante da necessidade de outras a serem feitas no município, são calçamentos, limpeza e ornamentação de praças, quadras de esporte, monumentos e outras mini obras “passatempo” que não se entende porque estão sendo feitas apenas no último ano da atual administração. 

Muitas dessas obras que são iniciadas em ano eleitoral ficam abandonadas depois que alguns desses prefeitos não conseguem se reeleger ou eleger seu candidato, em outros casos mesmo eleitos os prefeitos paralisam aquele ritmo de trabalho afinal já conseguiram o que queriam. Enganar o povo. 

Com isso nasce a sensação no eleitor de que foi enganado, nasce à insatisfação, mas aí já é tarde demais. 

Analise, observe como agiu o gestor da sua cidade nos anos anteriores a este ano eleitoral e lembre-se: Por que quem teve 1460 dias para realizar obras e benefícios à população resolve querer fazer somente agora?

REdação

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Fernando Lúcio: E-mail: donainesonline@hotmail.com. Tecnologia do Blogger.